Insônia: tudo que voce precisa saber.

Quem nunca “brigou” com o travesseiro e ficou horas “rolando na cama” esperando o sono chegar? Olhamos para o despertador, vemos as horas passando e começamos a nos “obrigar a dormir”. Insônia.

“Se eu não dormir logo, não vou conseguir ter um bom rendimento amanhã”. Esses e outros pensamentos começam a povoar nossa mente. Se você se identificou com alguma das situações acima, você não está sozinho.

Diversos estudos epidemiológicos apontam que mais de mais de 60% da população tem alguma queixa sobre o sono! E, cerca de 20%, isto é, um em cada cinco adultos, sofre de insônia, quadro que pode levar a consequências graves para o dia-a-dia da população como acidentes de trânsito, perda de emprego e problemas familiares.

Uma boa noite de sono é fundamental para um bom funcionamento físico e mental. Muitas vezes, dormir bem é o melhor “remédio” para melhorar nosso humor, nossa disposição e nossa memória. Segundo uma pesquisa realizada na Universidade de Cambridge em 2008, dormir bem pode aumentar em até 3 anos nossa expectativa de vida! Queixas de insônia em algum momento da vida adulta são extremamente comuns, principalmente se estamos passando por alguma situação nova ou estressante. Contudo, algumas pessoas apresentam problemas crônicos para dormir, o que gera uma redução impactante no rendimento profissional e na qualidade de vida.

Neurociência do sono

O sono normal de todos os indivíduos possuem 2 fases principais: A fase dessincronizada ou fase de SONO REM ( Rapid Eye Movement) e fase sincronizada ou fase de SONO NÃO REM.

SONO NÃO REM

  • Tem início quando começamos a dormir.
  • É sincronizada: possui elementos “síncronos”, específicos, em um exame chamado Eletroencefalograma ou EEG, que mapeia a atividade elétrica cerebral.
  • Nessa fase ocorre a liberação do Hormônio do Sono, a MELATONINA, que leva ao adormecimento. Também, nessa fase, o corpo fica mais “relaxado” ( diminuição do “tônus simpático”) e nossa respiração, batimentos cardíacos, pressão arterial e tônus muscular ficam muito diminúidos.
  • É uma fase muito importante para ECONOMIA DE ENERGIA E CRESCIMENTO MUSCULAR ( há liberaçao de GH, hormônio do crescimento).
  • Possui 4 estágios, I, II, III e IV, que indicam o grau de aprofundamento do sono, sendo que os estágios III e IV são os mais profundos e uns dos mais importantes para a “qualidade do sono”.

SONO REM

  • É dessincronizado: os elementos do EEG não são sincronizados. A atividade elétrica cerebral é de baixa amplitude.
  • Existem episódios de MOVIMENTO RÁPIDO DOS OLHOS e atonia muscular, ou seja, os músculos apresentam o MÁXIMO RELAXAMENTO.
  • Existe uma ativação do Sistema Nervoso Simpático, ou seja, há liberação maior de noradrenalina. Isso faz com que possamos ter um aumento dos batimentos cardíacos e da frequencia de respiração.
  • É nessa fase que ocorrem os SONHOS.
  • É a fase do sono mais importante para que possamos ARMAZENAR E CONSOLIDAR as informações que recebemos durante o dia. OU SEJA, É FUNDAMENTAL PARA A MEMÓRIA E APRENDIZADO.

 

Nessas imagens de PET SCAN, podemos observar o metabolismo de glicose nas diferentes áreas do cérebro enquanto estamos acordados, adormecendo e no sono NREM. O metabolismo de glicose indica o nível de atividade neuronal em cada área, uma vez que o neurônio utiliza somente a glicose como fonte de energia. Podemos observar que nosso cérebro reduz muito nível de atividade ( área azul) enquanto estamos adormecendo e aumenta um pouco esse nível de atividade no sono NREM. Contudo o nível no sono NREM é menor que o nível de atividade quando estamos acordados.

Nessa imagem, podemos observar que na fase de sono REM, a atividade cerebral aumenta bastante, sendo discretamente inferior ao nível de atividade na vigília ( quando estamos acordados).

 

CADA TIPO DE INSÔNIA NECESSITA DE UMA ABORDAGEM E TRATAMENTO DIFERENTE.

 

O indivíduo que sofre de Insônia costuma apresentar as seguintes queixas durante o dia:

  • Fadiga (cansaço);
  • Dificulade de atenção, concentração e memória;
  • Muita irritabilidade;
  • Dificuldade em ter um bom desempenho no trabalho, faculdade ou escola;
  • Muita sonolência;
  • Falta de motivação;
  • Erros por descuido;
  • Dor de cabeça e problemas gastro-intestinais.

Se observarmos bem, veremos que esses sintomas são comuns em quadros depressivos e ansiosos. Na verdade, é muito comum que o Transtorno de Insônia venha junto com um quadro de alteração de humor. Problemas crônicos em relação à qualidade de sono podem precipitar um quadro depressivo. Devido a isso, um diagnóstico preciso é fundamental.

Quais os tipos de insônia?

Existem várias classificações da insônia, pela duração, pelo tipo de sintoma e pelo impacto que causa na vida de cada pessoa. Os principais tipos são:

  • Insônia Aguda
  • Insônia cronica Primária
  • Insônia Associada a um quadro psíquico
  • Insônia associada a um problema médico ou uso de substâncias

Passo a Passo para Avaliação da Insônia

  • História e exame médico detalhado, incluindo a avaliação início da insônia e quando houve a progressão para insônia crônica.
  • Avaliação minuciosa de todos os tratamentos já tentados e do impacto da insônia no dia-a-dia, incluindo sonolência durante o dia, cansaço, fadiga, diminuição da atenção, problema de concentração e memória.
  • Ter sempre em mente que a insônia tem componentes biológicos, ambientais, comportamentais e psicológicos.
  • Avaliar se há outros quadros como ansiedade, depressão, dor crônica, apnéia do sono, entre outros, que podem estar associados que necessitam de tratamento específico.
  • Avaliar exames necessários, incluindo exames laboratoriais, neuroimagem ( tomografia ou ressonância de crânio) e polissonografia.
  • Planejamento do tratamento.

Quais os tratamentos atuais para Insônia?

IMPORTANTE: NÃO TOME MEDICAÇÕES PARA DORMIR SEM ORIENTAÇÃO MÉDICA. MUITAS DELAS PODEM CAUSAR DEPENDÊNCIA E LEVAR A ACIDENTES.

  • Terapia Cognitivo-Comportamental para Insônia: orientações diretas e focais para para melhorar a qualidade de sono. É indicada para maioria dos pacientes e se baseia em HIGIENE DO SONO, CONTROLE DE ESTÍMULOS, RESTRIÇÃO DE SONO E TÉCNICAS DE RELAXAMENTO.
  • Medicamentos Benzodiazepínicos: os populares “calmantes”. São medicações sedativas, depressoras do sistema nervoso, induzem relaxamento e sonolência. PODEM CAUSAR DEPENDÊNCIA, e seu uso crônico pode causar problemas de memória, risco de acidentes e dificuldades para retirada da medicação. DEVEM SER USADAS COM CUIDADO, SOMENTE SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.
  • Medicações indutoras de sono não-benzodiazepínicos (i.e., zolpidem, zopiclona e zaleplon): são medicações que ajudam a “iniciar” o sono, possuem risco de causar dependência menor que os benzodiazepínicos ( mas ainda sim há vários relatos de uso abusivo). São muito utilizadas, mas não se recomenda uso por periodo maior que 1 mês para pacientes com insônia.
  • Medicamentos Antidepressivos: Essas medicações NÂO causam DEPENDÊNCIA. Existem vários tipos e classes que podem ser utilizados, a depender de cada pessoa e do perfil de efeitos colaterais.
  • Fitoterápicos: Valeriana é a mais estudada. Ta.bém, algumas pessoas tem respostas positivas utilizando Passiflora, Hipericum e outros.
  • Agonistas da melatonina: Atuam potencializando a ação do hormônio do sono, a Melatonina, que é liberada à noite e induz sonolência, além de ser muito importante para regulação do humor. A Melatonina isolada não está aprovada pela Anvisa no Brasil. A Agomelatina é um antidepressivo novo, ja aprovado no Brasil, que atua estimulando os receptores de melatonina.
  • Estimulação Magnética Transcraniana.