TDPM: a versão mais intensa da TPM que pode te levar à internação psiquiátrica

O período menstrual e seus momentos prévios podem causar grandes transformações no corpo e no estado de espírito de uma mulher. Embora a tensão pré-menstrual (TPM) já seja grande conhecida, o TDPM é uma versão mais intensa e que muitos desconhecem.

O caso é que esse quadro intensificado exige atenção e cuidados, podendo levar, até mesmo, à internação psiquiátrica.

Para manter a qualidade de vida e a segurança da saúde, conheça mais sobre esse transtorno e entenda tudo dessa questão!

O que é a TDPM?

Sigla para Transtorno Disfórico Pré-menstrual, esse quadro é responsável por gerar uma intensa transformação do comportamento na mulher em um período anterior à menstruação.

Trata-se de uma situação que ocorre de maneira recorrente e que pode afetar intensamente a qualidade de vida.

Embora suas causas não sejam totalmente conhecidas, acredita-se que a flutuação hormonal e uma queda do nível de serotonina no período sejam os responsáveis por esses efeitos tão intensos.

Quais são os principais sintomas?

O TDPM possui sintomas mais intensos que a TPM.

A sensação de tristeza e/ou desânimo surge de uma forma mais acentuada, assim como a picos de irritabilidade e “raiva” muito intensos, chegando algumas vezes à agressões verbais e até físicas.

Também, é possível que a mulher apresente dificuldades de concentração, mudanças no padão de sono e de apetite, além de retenção de líquidos.

Porém, um dos sintomas mais graves é a instabilidade emocional.

Essa instabilidade pode provoca variações de humor extremas, as vezes dentro do mesmo dia, variando de tristeza e choro fácil, passando por momentos de impulsividade e podendo apresentar, até mesmo, episódios de auto ou heteroagressividade.

A falta de tratamento causa, além de grande sofrimento para a mulher e para as pessoas ao seu redor, muitos prejuízos nas relações pessoais, familiares e profissionais, e, em casos extremos, pode levar à internação psiquiátrica da paciente.

Como é feito o diagnóstico?

Duas características são especialmente importantes para determinar se uma mulher sofre com TDPM ou não.

A primeira é a recorrência, ou seja, os sintomas devem ocorrer de maneira repetida e consecutiva ao longo dos meses.

A segunda trata do desaparecimento dos sintomas com a chegada da menstruação.
Sempre é importante, também, avaliar se existe algum outro quadro psiquiátrico presente, como depressão, transtornos ansiosos e transtorno bipolar do humor.

Muitas vezes o diagnóstico não é simples de ser feito e, por isso, requer a avaliação por profissionais qualificados aptos a fazê-lo.

Como é feito o tratamento?

O tratamento da TDPM envolve 2 principais fatores.

O primeiro, envolve mudanças no o estilo e nos hábitos de vida, como a diminuição de consumo de alimentos industrializados, regularização dos hábitos de sono e prática de atividades físicas, que contribuem para elevar o nível de serotonina no organismo.

A Meditação Mindfulness é um método que pode ajudar muito a forma de lidar com os sintomas do TDPM. Essa é uma técnica de “re-aprendizado cognitivo”, feita através de meditações guiadas. Ela nos ensina observar os pensamentos e sentimentos, sem julgamentos ou críticas, e a retomar nossa atenção, de forma suave, para as sensações físicas e para a respiração.

Os médicos do CINA desenvolveram um aplicativo para celulares que ensina a praticar essa técnica passo a passo: WeMind – Meditação Descomplicada (www.facebook.com/appWeMind/).

O segundo fator envolve a utilização de medicamentos para permitir o equilíbrio químico dos níveis de serotonina e estabilizar as flutuações de humor.

Alternativamente, é possível utilizar a técnicas não invasivas, dentre as quais se destaca a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT), principalmente quando o quadro está associado à depressão.

O objetivo é reduzir a frequência e a intensidade de ocorrência desse transtorno ao longo do tempo, com um tratamento que dure o menor tempo possível, causando menos efeitos colaterais possíveis.

O TDPM gera mudanças intensas no comportamento e na qualidade de vida. Como é um quadro que pode prejudicar muito a saúde da mulher, suas relações pessoas e seu trabalho, é importante recorrer à ajuda especializada de forma precoce.

Você que pode sofrer com esse problema? Marque uma consulta com os médicos do CINA.